Sobre Borboletas

Biodiversidade das borboletas

As borboletas são um dos maiores grupos de insectos, com cerca de 160 mil espécies conhecidas, constituindo um componente fundamental da biodiversidade do nosso planeta.

Em Portugal existem 137 espécies de borboletas diurnas e mais de 2500 espécies de borboletas nocturnas, sendo um dos países da Europa com maior biodiversidade.

 

Papel das borboletas nos ecossistemas

As borboletas são uma peça fundamental na cadeia alimentar, servindo de alimento a aves, morcegos e outros animais insectívoros. Tal como as abelhas, são excelentes polinizadores contribuindo para a reprodução de plantas essenciais para alimentação humana.

Além disso,  as borboletas são excelentes bioindicadores, ou seja, indicam a qualidade ambiental de um determinado local. A sua dependência de espécies de plantas e de habitats específicos, torna-as vulneráveis a perturbações ambientais. Portanto, a presença de certas espécies ou a sua ausência pode indicar um ecossistema em equilíbrio e com grande biodiversidade ou, pelo contrário, um ecossistema degradado e com problemas ambientais, respectivamente.

 

As borboletas e as alterações globais

As alterações globais provocadas pelo homem (aumento da temperatura,  introdução de espécies exóticas, uso de pesticidas e fertilizantes, fragmentação do habitat, etc.) têm tido um efeito devastador na diversidade das borboletas.

Estas alterações têm  um forte impacto no seu ciclo de vida, nas épocas de voo, nas migrações, ou seja, na sua sobrevivência, o que se traduz em desequilíbrios no ecossistema. Mas também há estudos que indicam, por exemplo, que o aquecimento global pode ter um efeito positivo na conservação de algumas espécies conferindo-lhes uma maior capacidade de dispersão. Este aspecto pode reduzir os problemas associados à fragmentação de habitats.

 

Ciclo de vida

As borboletas têm um ciclo de vida dividido em 4 estádios.

 

ciclovida-img-web

Os adultos colocam os ovos na planta hospedeira em que as suas larvas (conhecidas como lagartas) se alimentam.

Após os ovos eclodirem as lagartas alimentam-se dessa planta, crescem e quando estão plenamente desenvolvidas pupam numa crisálida.

É na fase de crisálida que se dá a metamorfose e quando esta está completa a borboleta emerge da crisálida.

Nesta altura a borboleta adulta (também denominada imago) expande as asas e logo que estas estejam secas inicia o voo.

A duração do ciclo de vida é muito variável, podendo em zonas mais quentes ocorrer diversas vezes num ano, enquanto em zonas mais frias pode acontecer que se passem vários anos para concluir o ciclo de vida.